11 de setembro de 2014

Piso salarial de R$ 3 mil para os vigilantes do Brasil

O movimento sindical dos vigilantes, através da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), travou uma luta titânica contra o império econômico das empresas de valores, que teve como resultado uma vitória significativa onde foi garantido à categoria o adicional de 30% de risco de vida/periculosidade, reparando uma injustiça praticada há décadas pela classe patronal.

Porém, quem sabe faz a hora, não espera acontecer! Desde junho passado a CNTV iniciou campanha pelo Piso Nacional de R$ 3.000,00 para categoria. O SindForte, sempre na linha de frente já havia dito que essa era uma boa luta e, agora, depois de uma assembleia os vigilantes deram o respaldo necessário à sua diretoria para juntar-se ao front de mais uma batalha.

Tendo pela frente obstáculos gigantescos, principalmente por causa do Projeto de Lei (PL) 4238/2012, que trata sobre o assunto, estipula salários que podem variar entre R$ 800, R$ 900 e R$ 1.100, dependendo do grau de risco a que o vigilante está exposto. O PL é de autoria do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) e apresenta este conceito, que é contestado pela CNTV e toda categoria. “Não tem cabimento criarmos vigilantes de primeira e segunda classes oficializadas por pisos salariais diferenciados, o que queremos é a unificação, ao contrário da PL do senador”, disse Tertuliano Santiago, presidente do SindForte/RN.


O que você pensa sobre este artigo?
Deixe seu comentário. 

3 de setembro de 2014

Rede globo denuncia empresa POWER em matéria exibida no Bom dia SP.

Vídeos mostrando seguranças de terceirizada atuando em pontos isolados. Segundo o funcionário, eles têm de tomar conta dos fios.
                                      Um segurança que trabalha em linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) denuncia o que chama de péssimas condições de trabalho nas vias. Ele é funcionário da Power Seguraça, que presta serviço para a CPTM, e relata que os funcionários ficam em locais sem banheiro, sem abrigo da chuva e sem espaço para refeições para evitar que cabos sejam furtados. A equipe de reportagem do Bom Dia Brasil flagrou funcionários trabalhando em locais isolados e cadeiras posicionadas perto de paredes e sem nenhum ponto de apoio nas proximidades.
Os vigilantes ficam em pontos espalhados pelas linhas Coral, Turquesa e Safira, segundo o funcionário que faz a denúncia. Ele enviou um vídeo mostrando um colega de trabalho trabalhando de forma isolada em um ponto da Linha 12-Safira, que liga o Brás a Calmon Viana. Em outro vídeo, um colega carrega uma marmita.
“Ficar no meio do nada, sem banheiro, sem guarita, sem nada. Precisa ir no banheiro e tem que esperar a hora de ir embora. A refeição é na via, marmita gelada”, afirma o funcionário ao descrever a rotina de trabalho.
A jornada é de 12 horas. Eles ainda têm de enfrentar o medo e já foram alvo de criminosos.
O Sindicato dos Empregados em Empresas de Vigilância afirma que fiscaliza constantemente os postos da CPTM e move ações judiciais quando alguma irregularidade é detectada.
O Ministério do Trabalho disse que não recebeu reclamações sobre a falta de condições de trabalho dos seguranças na CPTM.
A CPTM afirma que há postos de vigilância fixos, com banheiros e guaritas. Há também os postos volantes, onde os seguranças fazem rondas, e que o revezamento é a cada três horas. A empresa disse que vai apurara as cláusulas contratuais entre a terceirizada e os seguranças.
A Power Segurança disse que cada dupla faz percursos de no máximo 50 minutos ao lado dos trilhos e que ficam nas estações, onde há toda a estrutura para atendê-los. Disse também que paga adicional de periculosidade e que fornece equipamento de segurança para os funcionários.
               ASSISTA A REPORTAGEM COMPLETA

Fonte:http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/07/seguranca-que-atua-em-trilhos-da-cptm-relata-ma-condicao-de-trabalho.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=sptv

1 de setembro de 2014

Projeto de lei do Senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), ameaça o piso salarial nacional dos Vigilantes.

Atenção vigilantes do Rio de Janeiro!!!

Este senhor vai pedir seu voto.  Porém, ele quer destruir tudo o que construímos até hoje.


O senador Marcelo Crivella(PRB-RJ) é autor do projeto de lei 4238/2012 que estipula pisos salariais que podem variar entre R$800, R$900 e R$1.100 dependendo do grau de risco a que o vigilante está exposto.

Marcelo Crivella é candidato ao governo do estado do Rio de Janeiro pelo PRB


O Projeto de Lei 4238/2012, de autoria do Senador é contestado pela CNTV e toda categoria.

Lembrando que se aprovado o PL servirá como base para o piso salarial nacional dos Vigilantes;
“Não tem cabimento criarmos vigilantes de primeira e segunda classes oficializadas por pisos salariais diferenciados, o que queremos é a unificação, ao contrário da PL do senador”, disse Tertuliano Santiago, presidente do SindForte/RN.

Companheiros Vamos Valorizar nosso voto, antes de decidir em quem votar faça uma pequena pesquisa sobre o seu candidato, veja se realmente ele merece sua confiança, digite o nome do seu candidato no Google seguido da frase “é acusado de”, e analise o resultado isto é um bom começo para quem quer realmente fazer a diferença nas Urnas.

Vigilantes somos formadores de Opiniões, vote consciente não desperdice seu voto...